World Press Photo 2017 | Premiação controversa

terça-feira, fevereiro 14, 2017


O World Press Photo é um dos mais distinguidos e importantes prémios na área do fotojornalismo mundial. Este ano, conta com a sua 60ª edição, e nada melhor que marcar esta data com um primeiro prémio controverso. Isto porque, há muita gente que é contra o primeiro prémio, dado a mensagem que transmite. O próprio presidente do júri, Stuart Franklin, fez questão de dizer que esta não foi a fotografia por ele votada, e que "esta imagem de terror não deveria ser a foto do ano".

Por um lado, percebo o seu ponto de vista, mas também percebo o outro lado, que fez muitos dos fotógrafos, júris do WPP, votarem na fotografia de Burhan Ozbilici como a melhor do ano. É uma foto marcante e de alguma coragem. OK, que temos muitos fotógrafos de guerra que também têm coragem para estar naqueles campos de batalha. Mas este, ali no meio do inesperado, também conseguiu segurar as emoções e medos, para conseguir tirar uma fotografia única.

No entanto, também entendo quando dizem que não querem "publicitar" actos terroristas. Stuart disse ainda que "é uma fotografia de um assassinato, com o assassino e o morto, os dois na mesma imagem", e que "é moralmente tão problemático como publicar uma decapitação terrorista".

Deixo-vos agora com algumas das fotografias vencedoras e respectivas categorias. A descrição pormenorizada de cada uma delas, poderão ver clicando nas imagens. É interessante perceber o contexto de cada uma.

World Press Photo do Ano
https://www.worldpressphoto.org/collection/photo/2017/world-press-photo-year/burhan-ozbilici
An Assassination in Turkey de Burhan Ozbilici (Turquia)
Mevlüt Mert Altıntaş grita após ter atirado em Andrey Karlov, o embaixador russo na Turquia, numa galeria de arte em Ankara, na Turquia a 19 Dezembro 2016. Feriu ainda outras três pessoas, e de seguida foi abatido a tiro pela polícia.


1º Prémio na categoria Temas Contemporâneos - foto singular
https://www.worldpressphoto.org/collection/photo/2017/contemporary-issues/jonathan-bachman
Taking a Stand in Baton Rouge de Jonathan Bachman (Estados Unidos da América)
A activista Evans está de pé oferecendo as suas mãos para a prenderem, enquanto ela é acusada pela polícia antidistúrbios durante um protesto contra a brutalidade policial fora do Departamento de Polícia de Baton Rouge, em Louisiana, EUA no dia 9 Julho 2016.


1º Prémio na categoria Quotidiano - foto singular
https://www.worldpressphoto.org/collection/photo/2017/daily-life/paula-bronstein
The Silent Victims of a Forgotten War de Paula Bronstein (Estados Unidos da América)
No hospital, no dia 29 Março 2016, Najiba segura o seu sobrinho de dois anos, Shabir, que foi ferido numa explosão em Kabul.


1º Prémio na categoria Notícias - foto singular
https://www.worldpressphoto.org/collection/photo/2017/general-news/laurent-van-der-stockt
Offensive on Mosul de Laurent Van der Stockt (França)
As Forças de Operações Especiais do Iraque buscam a 2 de Novembro de 2016, casas de Gogjali, distrito oriental de Mosul, à procura de membros do Daesh, equipamentos e provas.


1º Prémio na categoria Projectos de Longa Duração
https://www.worldpressphoto.org/collection/photo/2017/long-term-projects/valery-melnikov
Black Days of Ukraine de Valery Melnikov (Rússia)
Civis escapam a um incêndio numa casa destruída por um ataque aéreo na aldeia de Luhanskaya.


1º Prémio na categoria Natureza - fotografia singular
https://www.worldpressphoto.org/collection/photo/2017/nature/francis-p%C3%A9rez
Caretta Caretta Trapped de Francis Pérez (Espanha)
Uma tartaruga marinha emaranhada numa rede de pesca, nada ao largo da costa de Tenerife, Ilhas Canárias, Espanha (8 de Julho de 2016)


1º Prémio na categoria Pessoas - fotografia singular

What ISIS Left Behind de Magnus Wennman (Suécia)
Maha, de cinco anos de idade e a sua família fugiram da aldeia de Hawija, no sul de Mosul, no Iraque, há sete dias (a fotografia foi tirada no dia 18 de Setembro de 2016). O medo do chamado Estado Islâmico e a falta de comida obrigaram a deixar a sua casa, diz a mãe de Maha. Maha deita-se num colchão sujo no centro do superlotado campo de refugiados de Debaga. "Eu não sonho e não tenho mais medo de nada", diz calmamente Maha, enquanto a mão da mãe lhe acaricia os cabelos.


1º Prémio na categoria Desporto - foto singular

Grand National Steeplechase de Tom Jenkins (Reino Unido)
Jockey Nina Carberry voa do seu cavalo durante a corrida de obstáculos do Grand National, a 9 de Abril de 2016, no hipódromo de Aintree em Liverpool, Inglaterra.


1º Prémio na categoria Notícias de Última Hora - foto singular
https://www.worldpressphoto.org/collection/photo/2017/spot-news/jamal-taraqai
Pakistan Bomb Blast de Jamal Taraqai (Paquistão)
Advogados ajudam os seus colegas feridos após uma explosão de bomba em Quetta, no Paquistão (no dia 8 Agosto de 2016)

E vocês? O que acharam da imagem vencedora deste ano?

De qualquer das formas, quer aceitemos ou não, vai valer a pena passar mais uma vez pela exposição do World Press Photo. Tenho ido sempre que posso, e garanto que é diferente e muito mais marcante, ver as imagens impressas em grande formato. Não encontrei data para a exposição, mas por norma costuma ser em Abril em Belém, no Museu da Electricidade.

Para updates diários, façam like no 6800milhas AQUI ou sigam-nos no Instragram @6800milhas. Se quiserem entrar em contacto connosco, por razões pessoais ou parcerias, enviem-nos um email para 6800milhas@gmail.com.

You Might Also Like

4 comentários

  1. Acho que a primeira foto tem um impacto bastante grande mas a última acaba por me tocar bastante mais. Numa outra categoria adoro a da tartaruga. gosto tanto de fazer snorkeling e adorava fazer mergulho :-) Já estive bem de pertinho com tartarugas assim nas Filipinas :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, por ter tanto impacto é que ela foi escolhida. Mas lá está... tem sempre aqueles contras de ser uma fotografia de um acto terrorista. A da tartaruga só me afecta negativamente por ela estar nas redes. Tens que lá voltar com a gopro =P

      Eliminar
  2. As fotos são todas muito fortes... Percebo o 'mal' da primeira foto, mas tem uma componente artística inegável e despoleta ainda mais sensações/pensamentos do que as outras. Eu penso que foi uma boa escolha!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exacto. É por aí que também me faz dizer que foi uma boa escolha. No entanto, entendo o que o presidente do juri quer dizer com aquilo. Bom... de qualquer das formas, é uma imagem muito poderosa =)

      Eliminar